quarta-feira, 9 de março de 2011

Trabalho

Meses, já fazem meses que eu bati a minha meta na empresa que trabalho, estou aqui faz mais de 8 meses e o combinado era receber por venda o chamado pol, uma espécie de ponto on line que você troca por premios ou até mesmo dinheiro, uma forma de agrado para o operador não se sentir lesado vendendo 20 seguros por dia, por 3,80$ cada, com um detalhe de ser um valor cobrado de quem aceitou o seguro mensalmente, um lucro gigantesco para os cofres do banco e da empresa, e uma migalha para os operadores não se revoltarem, os pols valem 0,75$ cada, cada venda um pol. eu tinha em dinheiro uns 1.700$ pra receber a uns 5 meses que tinha batido essa meta como top de vendas de todas as equipes, eu vendi demais, queria comprar um computador novo, o meu estava completamente ruim, infernal. Como não me pagaram eu parei de vender e faz 3 meses que não vendo, devido aos 5 meses de atraso.

Ninguém me pagava, e meus amigos indo embora da empresa, por não aguentarem o tranco, varias mudanças erradas la dentro, pressão, cobrança, e eu totalmente contra a forma de ética que tinha aquele lugar, empresa que trata bem quem fecha os olhos para aquele roubo e exploração, eu já não queria mais, estava de saco cheio de tudo aquilo, de enganar os clientes, de escutar chingo de pessoas que nunca me viram na vida o dia inteiro, de dar mais de 70.000$ de lucro por mês e receber 600.00$, da cobrança diaria de vendas, metas, aderência, como pode alguém que deve 1.700$ pra você a mais de 5 meses, te cobrar minutos de atendimento? cobrar vendas? ou qualquer coisa do tipo!?

 Chega, eu quero que me mandem embora,  fui fazer um trato com um dos diretores de la, um gordão arrogante e prepotente,  falei que não estava de acordo com aquilo tudo, que queria receber, pois eu dava muito lucro e aquilo era um absurdo, ele falou um monte de besteira sem noção, com um olhar frio, e ridiculamente arrogante falou até de quando eu fiquei doente e faltei com atestado, jogou remédios em cima da mesa, falando que tinha dor de cabeça todos os dias, e que os operadores faltavam por qualquer motivo besta, e falou que esperava não estar fazendo trato com nenhum moleque, que me mandaria embora depois de 3 meses se eu batesse as metas da empresa e continuasse vendendo como sempre, apertou minha mão e me deu boa sorte.

Ieh, tá fácil  assim?! não cara, eu virei minhas costas ja pensando em o que faria para reverter isso, como eu poderia lutar e ganhar desses caras la dentro, sendo que o poder era deles, pensei muito, em detalhes, me informei bem, e faltei logo no dia seguinte do acordo, uma semana sem ir, depois ia, entrava mais tarde, saia mais cedo, e vários superiores me chamando, eu ia, escutava por um ouvido soltava pelo outro e faltava mais,       quando ia nem atendia, ficava andando, e nada mais. Algumas pessoas viam aquilo com orgulho, queriam seus pols também mais não tinham atitude pra lutar pelo seu direito, essas pessoas eu até engolia, mesmo indignado em não fazerem nada, as que eu não engolia eram as pessoas que achavam minha atitude rebelde demais e viravam a cara pra mim, por eu estar prejudicando a empresa.

Hey, acorda ai doidão, esses caras ganham dinheiro demais, tirando dinheiro do povo, e pagando migalhas para os operadores, ninguém toma uma atitude, ninguém fala nada!? foi quando eu tive a brilhante idéia de fazer uma forma de protesto, peguei uma camisa do meu irmão, velha branca, mais com um desenho na frente, não servia pra mim, eu queria uma inteira branca pra escrever nela, então virei ao contrario e escrevi na parte da frente POLS? e atrás um anarquismo.


Foi bem divertido chegar la com essa camisa, todo mundo olhando, comentando, algumas pessoas gostaram, e outras queriam minha cabeça. Meu supervisor era um estreied, ele curtia um som, e dava pra ver no olhar dele que ele concordava com a atitude e com minha luta, mais o coitado tinha que ficar falando que não era a melhor forma, eu entendia ele, ele tinha sido promovido a supervisor, estava melhorando as coisas pra ele la dentro, então eu falei pra ele não se preocupar comigo, e tirar o dele da reta, não se responsabilizar comigo, porque eu realmente queria meu direito e estava disposto a conquistar.


Mais reuniões, brigas, até ameaças de diretores de que iria mofar la dentro, dias complicados, quase sem salário devido as faltas, mais ai sim meu plano pensado foi dando certo, os operadores, vendo minha posição referente a esse absurdo, começaram a ver, que mesmo eu faltando, entrando na hora errada, saindo mais cedo, eu não era mandado embora. Assim, alguns deles começaram a parar de vender feito eu, com meu estimulo, e faltar alguns dias também, isso estava bem confortável pra mim, ia forçar os grandes la de dentro me pagar logo, pagar todos, e logicamente me mandar embora o mais rapido.


Eu estava certo, uma semana depois da camisa anarquista, no dia seguinte que pagaram meus "pols" o mesmo diretor que me falou que ia mofar la dentro, me chamou e assinou toda papelada pra eu ir embora da empresa. Finalmente livre daquele inferno. 


O operador de atendimento, ou até mesmo o trabalhador em geral, tem que estar ciente de que o que move a empresa são eles, uma empresa feito essa, que nem participação dos lucros te da, e nem respeito, tem que ser tratada a ferro até mudar, não podemos ficar quietos, acomodados com esse tipo de exploração. Se somente eu dava um lucro mensal de mais de 70.000$ imagina os 2.500 operadores juntos, o quanto não dão de lucro!? E imagine se não fosse só eu com a camisa de anarquismo protestando e pensando em melhorias.


Abre o olho galera.


Enfim, foi uma boa parte da minha vida, em que trabalhei com honestidade, lutei pelos meus direitos, fiz os meus melhores amigos, histórias e doideras das mais doidas mesmo.

2 comentários: